O primeiro “eu te amo”

Quando voltei para o quarto Rômulo parecia estar bem a vontade sentado em minha cama. Sorri ao lembrar da primeira vez em que ele esteve em meu quarto.
– o que foi? – Rômulo perguntou sem entender o porquê do meu sorriso.
– nada – balancei a cabeça negativamente.
Sentei-me por entre suas pernas e deitei minhas costas sobre o seu peito.
Ali era o único lugar que eu desejava estar.
Os últimos meses se resumiam a isso: nós, mas ainda nós não éramos nós, éramos eu e ele curtindo aquele momento.
Ficamos em silêncio enquanto ele acariciava delicadamente meus braços que descansavam sobre o seu corpo. Eu adorava o fato de ficarmos em silêncio curtindo um ao outro, sem nos sentirmos pressionados a conversar.
Decidi interromper o carinho para segurar suas mãos, elas eram grandes e eu adorava compará-las as minhas. Senti que suas mãos estavam geladas e suadas. Estranhei, pois suas mãos sempre estavam quentes.
– você ta bem? – perguntei preocupada.
– tô – ele respondeu rapidamente.
O tom de sua voz não havia me convencido.
Entrelacei nossos dedos e segurei suas mãos com força.
– suas mãos não param de suar, você tem certeza que ta bem? – o questionei novamente.
– é que eu quero te falar uma coisa… – ele hesitou.
Mil coisas passaram em minha mente em menos de 10 segundos e uma delas era: “Eu não quero mais”.
Agora eu estava suando frio, senti que meu coração iria sair pela boca a qualquer momento.
Respirei fundo e decidi encorajá-lo a falar de uma vez.
– pode falar.
Fechei meus olhos e os apertei esperando ouvir da sua boca o que eu tanto temia.
Foram os 5 segundos mais longos da minha vida.
– eu te amo – ele disse, sua voz era firme.
Meus olhos agora estavam arregalados, eu não sabia o que dizer. Eu tenho que retribuir o eu te amo? Eu ainda não estou pronta! Mas eu…
Sem pensar me virei para ele e lhe roubei um beijo, dois ou três…
Tive vontade de dizer que o amava, mas toda vez que eu pensava em interromper o beijo e dizer o que eu sentia, eu simplesmente continuava a beijá-lo. Não era tão simples como nos filmes de romance.
E agora?

23 anos, adora sinceridade e fala o que lhe dá na telha.
Comenta aqui, miga!

Eu não quero namorar

Foi o que eu pensei.

Na verdade, eu disse isso inúmeras vezes, talvez pra tentar me convencer de que isso era verdade. E você, concordava comigo. Afinal, eu tinha acabado de sair de um relacionamento de dois anos e você, de um dos seus rolos que, como sempre, não duravam muito.

Nós tínhamos tudo pra dar errado.

Mas, com você eu vivi um mês de muitas aventuras e eu te mostrei um mundo completamente diferente. Um mundo chamado: liberdade. Um mundo meu e que agora eu podia compartilhar com alguém que tinha essa mesma sede de viver coisas novas.

Nós nos divertíamos e nos esquecíamos da realidade. Era como se existisse um mundo paralelo onde só existia eu e você. E isso era suficiente. Você se infiltrou na minha rotina de uma forma que nenhuma outra pessoa até então tinha feito. E eu gostei disso. Você saiu da sua zona de conforto e decidiu encarar o mundo. Um mundo que nós criamos.

– Você quer namorar comigo? – Você disparou, assim, sem mais nem menos. Nós estávamos deitados na minha cama, já tinha passado da meia noite e nós tínhamos que acordar cedo.
Eu fui pega de surpresa e tive aquela velha e conhecida sensação de que o gato tinha comido minha língua.
– Você não vai responder? – Você insistiu e eu respirei fundo.
– Pergunta de novo – pedi, tentando me conter.
– Você quer namorar comigo? – Suas sobrancelhas estavam unidas, mas, o seu sorriso entregava o que você já suspeitava. Eu era tão óbvia assim?
– Sim – Eu respondi sem pensar duas vezes.

No mês passado completamos dois anos de namoro e eu não me canso de lembrar de tudo o que vivemos até aqui. Nós aprendemos a amar juntos e todo dia é um novo dia pra gente. E o mais engraçado é que todo dia você consegue me fazer te amar um pouquinho mais.

E olha que eu não queria namorar, né?

23 anos, adora sinceridade e fala o que lhe dá na telha.
Comenta aqui, miga!

A gente se basta

a-gente-se-basta-mariasabetudo

Hoje quando eu acordei não precisei pisar com o pé direito, porque eu tenho você que me dá sorte mesmo sem querer.

É tão bom fechar os olhos antes de dormir e lembrar de alguns momentos ao seu lado, ou até mesmo imaginar a gente fazendo aquela viagem que tanto queremos. Relembrar momentos ou imaginar, tudo é tão divertido quando se trata de nós.

Nós temos essa ligação que eu não consigo explicar: eu te olho, você me olha e sabemos exatamente o significado de cada olhar. Ninguém ao nosso redor consegue entender e cabe a nós apenas ignorar os comentários invejosos de quem parece nunca ter se apaixonado.

Talvez seja isso, essa paixão que nos faz sonhar acordados e quando acordamos de fato, a realidade é muito mais incrível do que imaginamos.

E se a gente não tivesse se cruzado? Essa ideia parece maluca, mas minha vida continuaria pacata e sem muitas descobertas. Com você eu aprendo sempre um pouquinho mais: sobre mim e sobre o amor. E esse mundo de possibilidades ao seu lado torna tudo muito mais encantador e fácil. Sim, você faz com que tudo pareça fácil.

Você foi o meu achado perdido e eu me encontrei em você. A gente se basta e eu tô pagando pra ver o futuro com você.

23 anos, adora sinceridade e fala o que lhe dá na telha.
Comenta aqui, miga!