Amar não é doença

 

Eu sou a favor do amor.

Quando se trata de amor não existe sexo ou um padrão, é só amor. É algo simples, é um sentimento puro e verdadeiro, apenas.

Amar uma pessoa do mesmo sexo não deveria ser considerado errado ou até mesmo uma doença, deveria ser visto como realmente é: amor. E o amor é lindo, certo? Independente do fato de ser entre duas mulheres, dois homens ou não, pois continua sendo amor ou existe outro nome pra isso?

Não. O nome disso é amor.

O mundo vem evoluindo tanto nos últimos anos, mas há ainda quem discrimine a união entre duas pessoas do mesmo sexo, cá entre nós, muda alguma coisa não aceitar? “Mas Sté, parece que virou modinha ser gay” hoje em dia realmente existem mais gays, mas, porque eles se sentem a vontade de sair do armário, pois a aceitação de seus familiares e amigos é muito melhor do que antigamente.

Se você que está lendo esse texto é homofóbico, sinta-se a vontade para se retirar e nunca mais voltar aqui, pois eu levanto a bandeira LGBT com muito orgulho e vou à luta ao lado dessas pessoas que querem apenas a igualdade e não regalias como muitos dizem.

Aqui deixo um beijo enorme à minha mãe que já passou por tantas gerações e me ensinou a ser tão mente aberta. Um beijo também à lésbica mais querida do Brasel: minha irmã, minha metade, minha gêmula de cinco anos de diferença .

E você, é favor do amor?

Comenta aqui, miga!

Maria assistiu: O mínimo para viver

 

Uma jovem de 20 anos sofrendo de anorexia embarca em uma emocionante jornada de autodescoberta em um grupo liderado por um médico pouco convencional.

Ellen, interpretada pela linda Lily Collins (vocês sabem que eu amo ela), foi expulsa de várias clínicas de recuperação e começa o filme exatamente assim: sendo expulsa e voltando para a casa do pai.

No começo do filme já percebemos a ausência de seu pai e Ellen volta para casa mais magra do que já estava, então sua madrasta pede para que ela tente mais uma vez. Sua madrasta a leva para outro centro de tratamento de anorexia e é aí que ela conhece o Dr. William Beckham, em sua primeira consulta ele a confronta perguntando se ela realmente quer viver.

Confesso que antes de assistir pensei mais de uma vez se deveria realmente assistir, mas, eu sabia lá no fundinho que valeria a pena. A história é triste? Sim, é triste, mas nos faz refletir se temos dado valor à nossa vida e se podemos fazer algo para mudar.

Nunca tinha assistido a um filme que abordasse esse assunto e acredito que ele veio em uma boa hora: nós não precisamos ser perfeitos.

As pessoas dizem que te amam, mas o que querem dizer é que amam como se sentem por te amar.

Comenta aqui, miga!

#mariaondulada: Gel “Como se fosse a 1ª vez” Salon Line

 

Hello pipous lindas do meu core! <3 muito timidamente comecei a postar aqui no blog o que eu tenho usado nas minhas madeixas onduladas feat cacheadas e eu tenho gostado de compartilhar com vocês, pois vocês têm comentado coisas muuuuito legais!

Nesse post: Produtos que a maria usa no cabelo eu mostrei os produtos que passo ao lavar e hidratar, hoje eu trouxe um produto pro day after, quando você não ta a fim de lavar o cabelão, mas quer que ele continue lindo e maravilhoso <3

O que a marca diz: Chega de cabelo bagunçado no dia seguinte! Você precisa experimentar o MELHOR DAY AFTER da vida! Ele possui ativos poderosíssimos que deixam os fios super leves e proporcionam a cada vez que você usa… a sensação de como se fosse sempre a 1ª vez dele lindo. Agora me fala: como você conseguiu sobreviver sem essa maravilha por tanto tempo? Eu sinceramente não sei, mas tenho a certeza que você vai se apaixonar! Bora arrasar?

O que a maria achou: graças azamigas lindas eu conheci esse produto e eu A-M-E-I! Ele não pesa o cabelo, como o meu cabelo é do tipo 2b muitos produtos acabam pesando ele e deixando sem os lindos cachinhos ou até mesmo duro por serem mais consistentes, mas esse produto não me decepcionou. Além de ter um cheirinho maravilhoso! (SALON LINE ME PATROCINA <3)

E vocês, já usaram esse gel ou algum outro produto da Salon Line?

Comenta aqui, miga!