#marialiterária: O diário de John Winchester

 

Hello pipous! Quem acompanha o blog da maria aqui sabe que eu adoro a série Supernatural, inclusive já fiz um post sobre a série: Coisas que aprendi com Supernatural.

O diário de John Winchester é a peça-chave para entender muitos dos mistérios da série criada por Eric Kripke. Para aqueles que acompanham Supernatural, será fácil identificar, por exemplo, alguns dos exorcismos usados por Sam e Dean, a primeira caçada de Dean, a perseguição implacável sobre Sam, a quem todos julgam ser ‘especial’, além de detalhes que deixam mais clara a relação entre os irmãos Winchester. Para quem ainda não acompanha a série, esta é uma das melhores oportunidades: onde tudo começou… O diário de John Winchester.

Quem aqui é fã de carteirinha da série também? O livro conta toda a trajetória do pai dos irmãos Winchester’s. John resolveu começar a escrever quando Mary morreu.

Seu mundo virou de cabeça para baixo após a morte de sua esposa, mas John estava decidido vingar a morte dela e descobrir quem havia a matado. John então começou a fazer anotações em seu diário sobre suas descobertas desse mundo sobrenatural que ele desconhecia.

Nesse meio tempo a gente vê um pai preocupado com o crescimento dos filhos sem o auxílio de uma imagem feminina. John ficava dividido entre uma viagem e outra, afinal, os meninos eram tão novos e tinham que se adaptar a tudo novo: escola, amigos e a um pai um pouco ausente, mas com um propósito.

Se você não assistiu a série, não recomendo ler, pois não irá enteder bulufas! Hahahaha. Mas, quem acompanha a série e ama assim como eu <3 recomendo! A leitura é tão fácil, as páginas são pequenas e os desenhos estimulam a leitura!

Comenta aqui, miga!

Seu olhar no meu olhar

 

Ele estava me encarando, resolvi resistir. Sua pele era clara, seus olhos grandes e escuros me lembravam jabuticabas. Sem perceber eu estava encarando sua boca que eu sempre assimilava a um coração.
Fofo, pensei.
Irresistível, admiti mentalmente.
Dei por mim quando seus lábios formaram um meio sorriso, voltei a olhar seus olhos.
– gosto quando você esquece seus olhos nos meus – disse, sem piscar.
– Chico Buarque? – perguntei, pois já havia ouvido em algum lugar.
– “acho uma delícia quando você esquece os olhos em cima dos meus.” – corrigiu. Ainda sem piscar, ele deu um passo em minha direção.
– “ou quando sua risada se confunde com a minha.” – completei, tentando não piscar.
Nós sorrimos juntos, ali parados, um encarando o outro.
Assustei-me quando senti seus braços envolvendo minha cintura e me puxando para mais perto.
– gosta de Chico Buarque? – sem jeito perguntei, mas meus olhos em momento algum foram capazes de deixar os dele.
– “E quando ela está nos meus braços, as tristezas parecem banais; o meu coração aos pedaços se remenda prum numero a mais.” – recitou.
– Luísa? – perguntei, pois o nome da musica era Luísa.
– Julia – corrigiu.
Um sorriso surgiu em meus lábios.
Agora quem encarava meus lábios era ele, seus olhos vidrados me deixaram intimidada.
Percebi que enquanto seus braços me faziam sentir protegida, meus braços estavam parados demonstrando emoção alguma. Sem ter certeza do que estava fazendo passei meus braços em seu pescoço.
Ele saiu do transe e me olhou surpreso.
– queria poder ler seu pensamento – franziu a testa.
Eu olhei seus lábios e voltei a olhá-lo rapidamente.
– não é tão difícil assim – sussurrei.
Eu estava pronta, eu queria beijá-lo.
Nossos rostos estavam mais próximos e eu nem havia notado. Ele fechou os olhos e eu fiz o mesmo, levemente ele roçou o nariz no meu. Minhas mãos estavam tremendo e para mantê-las paradas, segurei sua nuca. Conforme nossos narizes se roçavam eu sentia as batidas do meu coração em meus ouvidos.
Meu celular tocou.
Acordei assustada com o despertador. Eu estava suando frio. Sentei-me na cama depressa e desativei o despertador. Já era dia. Fiz careta ao lembrar que havia sonhado com Rômulo.

Comenta aqui, miga!

Maria assistiu: Mulher-Maravilha

 

Treinada desde cedo para ser uma guerreira imbatível, Diana Prince nunca saiu da paradisíaca ilha em que é reconhecida como princesa das Amazonas. Quando o piloto Steve Trevor se acidenta e cai em uma praia do local, ela descobre que uma guerra sem precedentes está se espalhando pelo mundo e decide deixar seu lar certa de que pode parar o conflito. Lutando para acabar com todas as lutas, Diana percebe o alcance de seus poderes e sua verdadeira missão na Terra.

Confesso que estou beeeeeem atrasada, mas, eu sei que algumas pessoas não assistiram ainda, né? (Concordem comigo, please! Hahahahaha).

Hipólita, mãe de Diana (nossa linda e maravilhosa Mulher-Maravilha), não quer que ela seja uma guerreira, mas desde pequena ela demonstra que quer aprender a lutar. Com a insistência da filha e apoio de sua irmã, Hipólita permite que ela treine.

Quando os alemães encontram a ilha que deveria estar escondida, Diana conhece Steve e ele conta para ela sobre a guerra que está acontecendo. Certa de que o causador disso é Ares, o deus mitológico, Diana que nunca havia saído de Temíscira parte com Steve para combatê-lo.

Eu juro pra vocês que eu não era muito apegada a Mulher-Maravilha, mas depois de assistir o filme eu só tenho uma coisa a dizer: XONEI! A diretora Patty Jenkins arrasou na direção e é certo que este filme é aquele tipo de filme que mesmo após anos ele será elogiado e discutido. Não vou dar mais detalhes sobre o filme, pois não quero dar spoilers! Hahahhaha mas, vou terminar o post com uma das melhores frases do filme:

Tenha fé, no final, essa será a sua maior arma.

Comenta aqui, miga!