#mariaondulada: Shampoo e Condicionador Seda Boom

 

Hello pipous! Hoje vou falar de um produto ma-ra-vi-lho-so que é liberado e não agride as nossas madeixas!

Quem acompanha o blog já sabe que o meu creme para pentear também é dessa linha da seda, mas só agora lançaram shampoo e condicionador dessa linha e é claro que eu tinha que testar, pois eu amo o creme! Resenha do creme: Aqui.

O que a marca diz:

A fórmula do Shampoo Seda Boom Liberado contém D-Pantenol e Óleo de Coco.
Limpa delicadamente os fios, sem ressecá-los.
Mantém a oleosidade natural dos fios.
É totalmente liberado, sem sulfatos, silicones, parabenos e corantes.
Possui D-Panthenol.
Possui Óleo de Coco.

O shampoo era o que eu mais temia, lembram que eu testei o da linha TRESemmé e odiei? Ele me deixou com tanto frizz, mas gente, o da seda é MA-RA-VI-LHO-SO! Ao contrário da outra marca, esse eu consegui utilizar ele inteirinho e só não comprei pra usar de novo, pois eu queria testar outro shampoo. Mas eu indico muito!

O que a marca diz:

A fórmula do Condicionador Seda Boom Liberado é totalmente liberada, com D-Panthenol e Óleo de Coco.
Hidrata e revitaliza os fios ressecados.
Proporciona maciez e brilho para cachos e crespos.
É totalmente liberado, sem sulfato, parabenos e corantes.
Possui D-Panthenol.
Possui Óleo de Coco.

O condicionador mais maravilhoso ainda! Dá pra sentir que ele é bem hidratante e o cheirinho é muito bom! Tem coco na fórmula, mas não tem taaanto cheiro assim, então quem não curte coco pode ficar tranquilo! :p

Ta aí, uma linha que eu só tenho a elogiar! Tem mais produtos dessa linha e eu quero testar todos!

Alguém aí já usou algo dessa linha?

Comenta aqui, miga!

#marialiterária: A Seleção #1

 

Hello pipous, cá estou eu fazendo uma resenha sobre um livro que julguei pela capa e mordi bem bonitinho minha língua! Hahahahha

Sim, o julguei pela capa ser “pomposa” demais, mas como a vida prega umas peças, né? Vamos lá!

Sinopse: Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China, e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças entre dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser rainha.

Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes.

Depois de ser sorteada, America elabora um plano: aproveitar a comida do palácio e a ajuda financeira enviada à sua família até o príncipe enxotá-la dali. Até que a garota conhece pessoalmente o princípe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para ai mesma – e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada.

O livro conta a história de America, uma garota da quinta casta apaixonada por Aspen, um garoto da sexta casta. É um amor quase impossível e por isso eles mantêm o romance em segredo.

Até o dia em que America recebe uma carta para participar da Seleção: um concurso onde 35 garotas seriam escolhidas para conquistar o coração do príncipe Maxon e claro, fazer parte da família real. America não queria fazer parte disso, afinal, já havia encontrado seu grande amor, mas sua família estava passando por muitas dificuldades e caso ela fosse selecionada, enquanto estivesse no concurso sua família seria recompensada.

Esse livro é aquela frase famosa: não sei o que dizer, só sentir.

O único problema desse livro é que ele acaba e acaba sem um desfecho de fato, nos deixando aflita para ler o próximo. Então se você pensa em ler este livro: tenha o segundo em mãos! :p

E aí, alguém aqui já leu?

Comenta aqui, miga!

Começando com o pé direito

 

Eu sei, eu sei, não faz diferença nenhuma você ao levantar da cama pisar com o pé direito ou esquerdo, mas, nada que uma leve superstição possa melhorar o nosso dia, né?!

Mas, quando eu citei no título desse texto começar com o pé direito eu me referi a iniciar esse novo ano com novas energias ou até mesmo com novas perspectivas.

O ano é novo, mas quem faz dele melhor ou diferente é você.

Sabe aquilo tudo que te faz mal? Se afaste, se desfaça ou melhor ainda: corte pela raiz. Se você deixou alguma coisa pendente no ano que passou, tente resolver o mais rápido possível. Qualquer coisa que te prenda ou te faça perder o sono: essas são as coisas ruins que você deve se livrar.

O erro pode não ter sido seu, mas talvez seja a hora de seguir em frente e para conseguir fazer isso é necessário deixar o orgulho de lado e tentar resolver. Colocar os pingos nos is.

O peso pode te impedir de continuar, de fazer esse ano valer a pena.

E mesmo que não consiga desfazer todos os nós, você tentou e isso te deixará mais leve. Iniciar o ano assim é a melhor forma de garantir que ele valerá a pena, é como tomar um banho de mar; lavar a alma. E eu te garanto que não há nada melhor.

E você, começou o ano com o pé direito?

Comenta aqui, miga!