#marialiterária: A Elite #2

 

Sinopse: A vida no palácio não era tão ruim quanto America imaginava. Ou melhor: com todos os mimos e privilégios que estava tendo, ela já mal se lembrava de como era pertencer à casta Cinco. Ser Um, em compensação, era fácil: suas criadas eram costureiras talentosíssimas e faziam vestidos maravilhosos; os banquetes e as festas que frequentava eram incrivelmente divertidos; e o conforto em que vivia agora seria impensável alguns meses atrás. Além de tudo, quando sentia saudade de casa, tinha Aspen por perto.

Ele era compreensivo, companheiro e tinha decidido colocar sua vida em perigo por ela — afinal, o que aconteceria se alguém descobrisse que, além de guarda do palácio, era ex-namorado de uma das candidatas? Era com Aspen que America contava nas horas mais difíceis. Por outro lado, o príncipe Maxon era atraente, bondoso, carinhoso e — o mais importante — desejava America mais do que qualquer outra garota da Elite.

Mas, além de estar com o coração secretamente dividido, também era difícil lidar com o fato de que aceitar Maxon significava ter que aceitar uma coroa. America não tinha certeza se gostaria de ser uma princesa. Apesar da vida glamorosa, havia tantas coisas com as quais ela não concordava e que permaneciam sem explicação: por que o palácio sofria tantos ataques rebeldes? O que era reivindicado? Por que os castigos aos infratores tinham de ser tão violentos? O que estava por trás daquele regime de castas tão cruel?

O tempo está acabando e as dúvidas de America só aumentam.

A Elite é continuação de um livro maravilhoso que já fiz resenha aqui no blog: A Seleção.

Não costumo dar spoilers, mas se você não leu o primeiro livro e tem vontade de ler, pode ser que ler esta resenha não seja a melhor opção, viu?

Em A Elite restam apenas 6 garotas disputando o coração de Maxon ou a coroa (dependendo de quem estamos falando, né?). America está dividida, pois no início não queria nenhum dos dois, mas ao se aproximar de Maxon percebeu que ele não era nada do que ela tinha pensado.

O livro fala bastante sobre a política de Illéa e o leitor acaba ficando intrigado em relação aos rebeldes que SEMPRE conseguem invadir o palácio.

O que deixa America mais confusa neste livro em relação aos seus sentimentos é que Aspen agora é um soldado e está no castelo disposto a tentar novamente.

Assim como o primeiro livro este também não tem um desfecho, o que nos obriga a ler o próximo: A Escolha. Se eu tivesse o hábito de roer as unhas já estaria com todas roídas, PRECISO ler o próximo! :p

Alguém aí já leu?

24 anos, adora sinceridade e fala o que lhe dá na telha.

Comenta aqui, miga!

#marialiterária: A Seleção #1

 

Hello pipous, cá estou eu fazendo uma resenha sobre um livro que julguei pela capa e mordi bem bonitinho minha língua! Hahahahha

Sim, o julguei pela capa ser “pomposa” demais, mas como a vida prega umas peças, né? Vamos lá!

Sinopse: Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China, e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças entre dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser rainha.

Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes.

Depois de ser sorteada, America elabora um plano: aproveitar a comida do palácio e a ajuda financeira enviada à sua família até o príncipe enxotá-la dali. Até que a garota conhece pessoalmente o princípe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para ai mesma – e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada.

O livro conta a história de America, uma garota da quinta casta apaixonada por Aspen, um garoto da sexta casta. É um amor quase impossível e por isso eles mantêm o romance em segredo.

Até o dia em que America recebe uma carta para participar da Seleção: um concurso onde 35 garotas seriam escolhidas para conquistar o coração do príncipe Maxon e claro, fazer parte da família real. America não queria fazer parte disso, afinal, já havia encontrado seu grande amor, mas sua família estava passando por muitas dificuldades e caso ela fosse selecionada, enquanto estivesse no concurso sua família seria recompensada.

Esse livro é aquela frase famosa: não sei o que dizer, só sentir.

O único problema desse livro é que ele acaba e acaba sem um desfecho de fato, nos deixando aflita para ler o próximo. Então se você pensa em ler este livro: tenha o segundo em mãos! :p

E aí, alguém aqui já leu?

24 anos, adora sinceridade e fala o que lhe dá na telha.

Comenta aqui, miga!