#marialiterária: A garota que você deixou para trás

 

Sinopse: Durante a Primeira Guerra Mundial, o jovem pintor francês Édouard Lefèvre é obrigado a se separar de sua esposa, Sophie, para lutar no front. Vivendo com os irmãos e os sobrinhos em sua pequena cidade natal, agora ocupada pelos soldados alemães, Sophie apega-se às lembranças do marido admirando um retrato seu pintado por Édouard. Quando o quadro chama a atenção do novo comandante alemão, Sophie arrisca tudo — a família, a reputação e a vida — na esperança de rever Édouard, agora prisioneiro de guerra.
Quase um século depois, na Londres dos anos 2000, a jovem viúva Liv Halston mora sozinha numa moderna casa com paredes de vidro. Ocupando lugar de destaque, um retrato de uma bela jovem, presente do seu marido pouco antes de sua morte prematura, a mantém ligada ao passado. Quando Liv finalmente parece disposta a voltar à vida, um encontro inesperado vai revelar o verdadeiro valor daquela pintura e sua tumultuada trajetória. Ao mergulhar na história da garota do quadro, Liv vê, mais uma vez, sua própria vida virar de cabeça para baixo.
Tecido com habilidade, A garota que você deixou para trás alterna momentos tristes e alegres, sem descuidar dos meandros das grandes histórias de amor e da delicadeza dos finais felizes.

Como a sinopse do livro diz, ele conta a história de Sophie, que mesmo após muito tempo sem ver seu marido e saber notícias dele, tem fé de que um dia voltará a vê-lo. Mas, enquanto isso não acontece, Sophie arrisca sua reputação para que possa vê-lo o quanto antes.

Sem pensar muito nas consequências, ela trai seus próprios princípios. Ela não suporta mais a ideia de não voltar a ver seu marido, a garota que ele deixou para trás, devido às circunstâncias, precisou colocar tudo em jogo, até mesmo a única coisa que lhe fazia sentir viva em meio a todo o caos.

Muitas pessoas me falaram tão bem da Jojo e desse livro, mas confesso que me decepcionei, talvez pela grande expectativa. O começo é viciante, você se envolve com a história, mas na metade do livro ela começa a contar outra história e a leitura começa a ficar maçante, pois a escritora muda até a escrita, o que me deixou incomodada.

Mas, quando enfim a segunda história se desenrola você consegue compreender que ela se ligará a história principal e a leitura volta a ser mais empolgante.

No geral, é um bom livro, mas essa mudança de cenário e escrita me deixou bem desanimada e penei pra conseguir terminar de lê-lo por conta disso. Soube que todos os livros dela são dessa forma e esse é o primeiro livro que leio da Jojo. O jeito é ler os outros pra conseguir me adaptar a esse estilo de leitura, né?!

O desfecho da história é emocionante, mesmo com o meu problema com a leitura, eu o recomendo sem dúvida alguma.

E vocês, já leram esse livro ou algum outro da Jojo? 

23 anos, adora sinceridade e fala o que lhe dá na telha.

Comenta aqui, miga!