#marialiterária: O diário de John Winchester

 

Hello pipous! Quem acompanha o blog da maria aqui sabe que eu adoro a série Supernatural, inclusive já fiz um post sobre a série: Coisas que aprendi com Supernatural.

O diário de John Winchester é a peça-chave para entender muitos dos mistérios da série criada por Eric Kripke. Para aqueles que acompanham Supernatural, será fácil identificar, por exemplo, alguns dos exorcismos usados por Sam e Dean, a primeira caçada de Dean, a perseguição implacável sobre Sam, a quem todos julgam ser ‘especial’, além de detalhes que deixam mais clara a relação entre os irmãos Winchester. Para quem ainda não acompanha a série, esta é uma das melhores oportunidades: onde tudo começou… O diário de John Winchester.

Quem aqui é fã de carteirinha da série também? O livro conta toda a trajetória do pai dos irmãos Winchester’s. John resolveu começar a escrever quando Mary morreu.

Seu mundo virou de cabeça para baixo após a morte de sua esposa, mas John estava decidido vingar a morte dela e descobrir quem havia a matado. John então começou a fazer anotações em seu diário sobre suas descobertas desse mundo sobrenatural que ele desconhecia.

Nesse meio tempo a gente vê um pai preocupado com o crescimento dos filhos sem o auxílio de uma imagem feminina. John ficava dividido entre uma viagem e outra, afinal, os meninos eram tão novos e tinham que se adaptar a tudo novo: escola, amigos e a um pai um pouco ausente, mas com um propósito.

Se você não assistiu a série, não recomendo ler, pois não irá enteder bulufas! Hahahaha. Mas, quem acompanha a série e ama assim como eu <3 recomendo! A leitura é tão fácil, as páginas são pequenas e os desenhos estimulam a leitura!

23 anos, adora sinceridade e fala o que lhe dá na telha.
Comenta aqui, miga!

#marialiterária: Resenha: Cidade dos Anjos Caídos

 

Cidade dos Anjos Caídos é o quarto livro da série literária Instrumentos Mortais, a resenha do primeiro livro: Cidade dos Ossos e do segundo livro: Cidade das Cinzas e terceiro: Cidade de Vidro.

Sinopse: Os últimos meses não foram fáceis para Clary. Demônios, um ex-Caçador de Sombras com jeito de supervilão — detalhe: seu pai —, um triângulo amoroso com o melhor amigo (a quem pode inadvertidamente ter ajudado a transformar em vampiro) e um conflito entre dimensões. Mas agora a guerra chegou ao fim, e ela voltou a Nova York para aperfeiçoar seus poderes e assistir ao casamento da mãe.

O melhor; finalmente pode chamar Jace de seu. Sem fantasmas ou dúvidas. O paraíso? Nem tanto. Apesar do sangue Nephilim que corre em suas veias, as coisas não estão assim tão angelicais. Alguém está matando Caçadores de Sombras, e a tensão entre os habitantes do Submundo atinge níveis alarmantes. Uma segunda guerra parece cada vez mais provável.

E Clary não pode contar com Simon. Sua habilidade vampiresca singular — conseguir andar sob o sol —  faz com que seja o aliado perfeito para os dois lados; e ele vai precisar se decidir logo… O submundo não é conhecido pela paciência.

Mas o que preocupa Clary, a verdade, é que Jace resolve se afastar sem maiores explicações. O que a faz mergulhar num mistério cuja solução pode se revelar seu maior pesadelo: ela mesma provocar a terrível cadeia de eventos capaz de lhe roubar tudo que ama. Inclusive Jace.

Amor. Sangue. Traição. Vingança. As apostas e os riscos são mais altos que nunca na Cidade dos Anjos Caídos.

Gente, esse não é o melhor livro da série literária Instrumentos Mortais, viu? Mas nem de muuuuito longe!

A autora decidiu dar espaço neste livro à um personagem que eu adoro; Simon, mas, eu fico me questionando: será que precisava? Claro que todos os outros personagens apareceram e até novos personagens surgiram.

O livro começa bem paradinho com Simon tentando não fazer com que suas duas namoradas descubram que ele está saindo com as duas ao mesmo tempo, até porque as duas se conhecem. Mas, o casamento da mãe de Clary está chegando e suas duas namoradas estão esperando que ele as convide para a cerimônia.

Eis que surge uma pessoa que já foi citada em outros livros; Camille. E faz uma oferta para que Simon fique ao lado dela. E Simon se sente dividido entre a sua atual realidade e seus amigos Caçadores de Sombras, que até então Simon os considerava amigos, mas com a oferta de Camille, Simon duvida se isso é recíproco.

Do outro lado do Submundo, Clary e Jace enfim podem aproveitar um ao outro, mas Jace se mostra distante. Todo aquele humor e sarcasmo dos livros anteriores morreu, Jace não parecia mais ele mesmo. E é óbvio que Clary não ignorou esse fato e buscou ajuda.

Enquanto tudo isso está acontecendo, Caçadores de Sombras são encontrados mortos e há um mistério envolvendo bebês não tão humanos aos olhos de Caçadores de Sombras e a suspeita é de que alguém esteja tentando criar uma nova espécie.

O que o começo do livro tem de parado o final tem de agitado. Confesso que terminei o livro querendo começar o quinto livro!

Alguém já leu algum dos livros ou assistiu filme/série?

<3

23 anos, adora sinceridade e fala o que lhe dá na telha.
Comenta aqui, miga!

#marialiterária: Resenha: Cidade de Vidro

 

Cidade de Vidro é o terceiro livro da série literária Instrumentos Mortais, a resenha do primeiro livro: Cidade dos Ossos e do segundo livro: Cidade das Cinzas.

Sinopse: Para salvar a vida de sua mãe, Clary deve viajar até a Cidade de Vidro, lar ancestral dos Caçadores de Sombras — podemos pular a regra que diz que entrar em Alicante sem permissão é contra a lei e ir contra lei pode significar a morte? E também que chegar lá, criando um Portal sozinha, só mostra, só mostra o quanto os poderes de Clary são sofisticados e como isso é perigoso? Para complicar ainda mais, quando chega à cidade, ela logo descobre que Jace não a quer por perto (o que não aplica a outras meninas…) e Simon, que nem queria estar ali, está sendo investigado por ser um vampiro que pode suportar a luz do sol.

Nem o fora de Jace nem estar quebrando as regras irão afastar Clary de seu objetivo: encontrar Ragnor Fell, o feiticeiro que pode ajudá-la a curar a mãe. Para localizar o bruxo, Clary contará com um misterioso aliado, Sebastian, um Caçador de Sombras (quase) irresistível. À medida que se aproxima de respostas, Clary conhece mais sobre o seu passado — e consequentemente sobre o passado de seu irmão…

A Clave está reunida. Todos sabem que Valentim, fortalecido como nunca, está convocando um exército para exterminar os Caladores de Sombras e conseguir os Instrumentos Mortais. Aparentemente, a única chance de sobrevivência é unir forças: Caçadores e integrantes do Submundo. É possível esquecer as diferenças e o preconceito de séculos para lutar lado a lado? E Clary, dividade pelo que sente por Jace, conseguirá se armar de seus novos poderes para salvar a Cidade de Vidro —  custe o que custar? Jace já se decidiu: vai arriscar tudo por ela.

O amor é um pecado mortal e os segredos do passado serão decisivos para Clary e Jace.

Clary precisa encontrar o feiticeiro capaz de acordar sua mãe, pois ela ainda continua em coma e para isso ela precisa ir até a Cidade de Vidro, mas Jace planeja ir sem ela. Claro que ela não aceitaria esta decisão, afinal, é a vida de sua mãe que está em risco.

Os poderes de Clary ficam muito evidentes quando ela consegue criar um Portal para chegar até Idris, mesmo sabendo dos riscos ela os ignora e Luke vai atrás dela. Ao chegar em Alicante ela se depara com uma cena que jamais pensou ver: Jace na cama com outra garota. Mas isso não a impede de continuar com o seu objetivo.

Aflição é a palavra certa para este livro, a barreira de proteção contra demônios da Cidade de Vidro é derrubada e invadida por demônios, Valentim ameaça a Clave e todos os Caçadores de Sombras que não ficarem do seu lado.

São 474 páginas de pura adrenalina, se alguém aqui rói unha se prepara que é quase que impossível não o fazer! Hahahhha

Eu amo TODOS os livros, mas este com certeza tem um espacinho maior no meu coração.

Alguém aí já leu? 

23 anos, adora sinceridade e fala o que lhe dá na telha.
Comenta aqui, miga!